quarta-feira, 30 de novembro de 2011

id



Pelas costas
Quadris cintura
 Na envergadura do amor 
 a doce vontade 
de ser
bicho sem fala 

Grunhir
nem sentir

3 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Amiga Neusa, gosto dos poemas sintéticos, aqueles que dizem muito com poucas palavras. Eu já sou mais extravagante, mais esparramado e por isso, muitas vezes me enrolo no embróglio.
Um abração. Tenhas um lindo dia.

Maggie May disse...

mas somos animais nesses momentos...

sidnei olivio disse...

Desculpe pela ausência, esse final de ano tá acabando comigo, rsss
Gosto muito dos seus poemas. Beijos.