sábado, 10 de março de 2012

Noturno




Meus dedos tocam essas teclas mas queriam tocar seus poros e salivação.   
Os meus braços vão e vem nesse movimento  da escrita que age como desejo que escorre no som consecutivo do teclado ( parecido com gotas pingando) .  
Preciso ouvir alguma coisa mais forte que   me ordene como todas as mulheres foram ordenadas a amar sem reservas e sem limites. Porque eu  desaprendi.  A solidão me fez dona de uma liberdade voraz, que me engole e me deixa faminta .  
Outras vezes a mesma liberdade vem louca e feliz tocando uma musica  que eu danço para mim. Eu preciso da sua ousadia me dizendo coisas indecentes . Eu preciso estalar um chicote e sentir que é agora.

8 comentários:

carla disse...

Olá amiga! Sabes! acho que todos nós de vez em quando precisamos desse chicote e dizer palavras ousadas,ouvir ,ouvir palavras indecentes ...saborear outros momentos,só assim a vida faz sentido.


beijo e cá te espero no meu canto

Carla Granja

carla disse...

Esqueci de responder: sim! sou de Portugal. Nasci em Cascais /Lisboa e moro no Sul de Portugal- Algarve

bjo

Carla Granja

MIRZE disse...

Doce amiga NDORETTO!

Solte o chicote, mas antes perceba como é boa a liberdade de viver só.

Beijos

Mirze

Ana Paula disse...

Parabéns pelo texto.. profundo, intenso, vivo e atual.

beijos demorados !

carla disse...

Beijo e uma óptima semana!

Carla Granja

http://paixoeseencantos.blogs.sapo.pt/

Letícia Losekann Coelho disse...

Muito bom!
Obrigada pela visita no meu site.
Abraço

Mulher Vã disse...

Uau!
Loba voraz! ;)

Adorei

Sílvia Nascimento disse...

nosso incessante desejo é o que nos move... sempre é agora.

gostei muito!
bj