sexta-feira, 27 de maio de 2011

Doméstica



Discreta
arrumava-se
quão arruinada
ficasse por dentro
Nenhum   
sentimento 
impedia  o expediente
do cumprimento-
ausente
na tarde 
ou
no dia
Mas
Suficiente
sem gato
nem gente
Em casa
um espelho
um  pente



( E
Os ais
no  note à frente )

9 comentários:

Elizabeth disse...

Meu ai...que orgulho de voce.

Letícia Palmeira disse...

Ri. E li em voz alta. Coisa mais perfeita e bonita, Neusa abençoada. =)

Doméstica - Ela era doméstica.

Ato falho feminino.

Letícia Palmeira disse...

E cadê seu perfil, mulher? Não conseguiu colocar? Se precisar de ajuda, me passe as coordenadas.

Leonardo B. disse...

[do quadro a moldura, o vestígio e despojo, o que resta do silêncio da casa, espelho interior de mundo]

um imenso abraço, Neusa

Leonardo B.

Moni. disse...

Entre dores e beleza, a poesia!

Sempre perfeito, querida!
Amei!

Beijos!

Moni

Fernand's disse...

é um crime qualquer afazer roubar nossa vaidade!


rsrs

bjsmeus

MIRZE disse...

QUE LINDO, Neusa!

Sua poesia é pura e mágica.

Beijos

Mirze

Marcia David disse...

Grata por seu comentário no meu blog. E olha que boa surpresa! O que encontro aqui? Bravo! Estou seguindo seu blog.

Anônimo disse...

Sabe aquela poesia que a gente gosta mesmo antes de ler/ Pois é...
beijos,
CImbovich