segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

sábado, 23 de novembro de 2013

Abraço























Abraçar é quente. Chumaço de algodão. Calor da palma da mão no rosto. 
O abraço toma posse daquilo que não se vê.  
O abraço é dono do tronco e se apodera fisicamente . Mas é um fisicamente tão irrestrito que parece alma. infinito.
Abraço: alongamento da emoção. Abraço. Abraço. Abraço.
Eu esqueceria o beijo e o vão das pernas por um abraço.Os olhares e os sorrisos, eu esqueceria. Porque tudo isso viria dentro de um abraço. Demorado. Apaixonado, largado e cheio.
O Abraço é o melhor do corpo porque contém o corpo todo.
E tudo nele está contido: a saudade e a demora do desejo.
Abraço é melhor que o beijo que dura 10 segundos. Num abraço, nos perdemos do mundo.Abraço. Abraço. Abraço.



Neusa Doretto

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Professorinha





Tão bonita e livre
Olha a sorte que eu tive
Não sabia se era menina ou mulher
Depois eu vi 
Era um Mix de Rock com Baudelaire


Neusa Doretto

domingo, 6 de outubro de 2013

sábado, 5 de outubro de 2013

" Avenida Anchieta "




Eu me abrigava na rede . Sentia tanta proteção,ali,enrolada naquele tecido forte e xadrez. 
Não havia frio,nem calor. Havia aconchego,esconderijo. Dias em que eu fugia do mundo. 
Noites em que eu acreditava no amor. 

O amor me salvaria,sustentaria e traria a felicidade para mim. 
E a rede entendia o meu coração.Indo e vindo. 
O balanço  me jogava aos braços de Beatriz e  Jacques Brel. 

Não me deixes mais. O Remy Martin e  o Pacco Rabane impregnavam,delicadamente os pontos do nosso tecido.
Não precisava de mais nada naquela casa. Os meus sonhos ocupavam todos os cômodos,esplendidamente vazios. Minha rede,meu reino forte. Meu  amor até a morte.




Neusa Doretto

domingo, 29 de setembro de 2013

" Lávocê "

Se tudo se transforma
do estado líquido
em que estamos
O gasoso
pode
envolver
num perfume
e
o
sólido
dar
um
prazer
e
um
certo
volume!

Neusa Doretto

sábado, 21 de setembro de 2013

" Torpor "



Tonta de amor
trêmula a teus pés. 
Sou pouca.

Sequer tateio tua tez tirana
Sequer fico sob teu teto
Mas
Tudo em mim é tanto
perto de ti
Que desafeto partir !

Neusa Doretto

terça-feira, 17 de setembro de 2013

intenso



Gostar é o exagero da alma, elogio desnecessário para aquilo que se vê.
Quando nenhum adjetivo veste sua voz e não há mais palavras. 
Só a coincidência do olhar._________Neusa Doretto

"Alívio"


O amor passou.
Abra os olhos, agora.
Sorria, aliviada.
Você não tem esperança de mais nada

Neusa Doretto

" inadequada"






Mais do que escrevo 
tem dia que não me leio


Neusa Doretto

Upa!



ela faz tipo
eu fito
é sim
acredito
ela ri
ela vem
eu estava
ela também
sem ninguém
Amém


Neusa Doretto

" perecível "

Não sei se é poesia, mas escrevo o que gela por dentro. 
Depois a evaporação e logo acaba.
Acho que não é poesia: é uma coisa vaga. 

Neusa Doretto

Da malandragem:


A larápia 
é da laia 
do conluio
de soslaio

Neusa Doretto

domingo, 15 de setembro de 2013

" Aro "









É pelo  olho que
tudo entra
pelo olho que se inventa  a ilusão
É pelo olho que se dá
A locomoção
a mudança de uma opinião
É pelo olho que  se joga ou se  acomoda
qualquer intenção
O olho é veloz
É roda
E
canta como pneu
quando
meu olho
bate
no
seu


Neusa Doretto

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

" sinopse "


Passei por aqui e você não havia chegado ainda.
Pensei ter ouvido seus passos um dia desses. Devo estar ansiosa com essas pessoas passando pela minha vida. E você não passa. Não veio ainda. Deve estar acabando um amor que durou a vida inteira. Pela demora, deve ser isso. 


Neusa Doretto

sábado, 20 de julho de 2013

" de repentemente "





...E até aquele amor que não deu certo
Foi a coisa mais certa que eu tive
Meu Deus,se não é por amor,
porque é que se vive?

Amor a tudo
Ao acordar e ter o bucho farto
Ao dormir no calor do quarto

Amor pela existência
Pela graça cedida e rimada
que registra a aventura da vida
Mais nada!

Neusa Doretto

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Abraço





Eu levo um tombo na rua ou um carro quase me pega. Quase eu me arrebento ou vou dessa pra outra. O susto endurece meu rosto, engrossa minha circulação. Eu  não sinto os pés de tanto nervoso. Quero chegar em casa, tirar a roupa, e perguntar pra alguém se me machuquei muito. Fico angustiada porque queria chorar para passar o medo, chorar abraçada .
É nessa hora que eu preciso de um amor, pra abrir a porta de casa e  falar: olha ,quase morri, me abraça.

sábado, 22 de junho de 2013

picada

.
.
.
.
.


depois
de
tu
do
amor
eu
chuparia
o veneno da veia
e...

morria na  teia
.
.
.
.

Gabinete



Cerimônia alguma,
eu povoada de amor
e
tu que me habitas
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.





( in memorian Rau )




Namoro



quem sabe o amor me aparece
numa hora de descuido
e eu nem perceba tudo
o que carrega
no olhar
e cega
eu
o
deixe passar


Neusa Doretto

terça-feira, 18 de junho de 2013

( história )


  • Tudo ficou fora de lugar, de repente, as coisas voando para o infinito que ela não conseguia segurar.
    E voavam com a intensidade dos sentimentos mais frescos e abruptos.
    Um caroço de pessego, furando sua carne macia, descendo pela garganta larga que não cansava de salivar. Mais que isso, de engolir sensações  novas. Aquele desejo.
    Um pano segurando a boca e as palavras saindo às cegas, quase sem susto,porque cegos sabem por onde andam, sentimentos também. Conhecem todos os pontos do itinerário.
    Nada mais pousa e tem controle.
    E é assim, subitamente e há milhares de anos que isso acontece, que  os corpos se querem.
    Neusa Doretto

sexta-feira, 14 de junho de 2013

poderes
















 Nem Super Mulher. 

 Nem Mulher Gato.

 
 Quero um Super Amor

 
 Que vista a capa do cotidiano


 Com Poderes do Beijo de Café

sexta-feira, 31 de maio de 2013


 Comenta
A  receita batida
O bolo de fubá

Ri da paixão untada
Da vida que segue
Que ontem era triste
Que hoje está mais leve 
A boca mastiga 
Derrete o alimento
-Tão bom ser ela
-'Pra que tanto pensamento ...?

quarta-feira, 15 de maio de 2013























Pedras não me machucam
Não me impedem
Pelo contrário são rastros para as que me seguem

Que rolem
Que virem pó
porque nunca estou só!

terça-feira, 2 de abril de 2013

Junte-se a isso


Preciso
Dos vernissages
Das passagens para um sétimo céu
ou sétima arte
Que não se parte
Preciso da tez
De uma única vez
Do Frisson 
Do Desembrulho
Da Surpresa Da leveza
Histeria da lua cheia
Meia e nova
Preciso da alcova
da Paixão Elegante
Prioritária
Sedentária em mim.





segunda-feira, 1 de abril de 2013

Ventura























Passa o tempo
Passa a dor
Passa a vida dentro do passo.

Paro. Olho. Crio laços.
Penso em ti:

Tens o olhar que acolhe
o meu beijo num gole.
O gesto, a palavra
tudo que lava
meu coração



( imagem de Xenia Antunes )








domingo, 17 de fevereiro de 2013

Ferro Quente

















Você me atiça
Me aterra
Me põe em paz
Me faz em guerra
Você me tem
Me chama  Eu vou
Você me dá  Me pede  Eu dou
Então
Assusta e Assalta
A porta sempre aberta
Não peço socorro
porque a bala não certa



quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Estrutura Vã
















O corpo sustenta
porém arrebenta a alma
quando não se dá

Então

No forte aperto
me estreito
expludo
úmida
pequena
tudo
sem a cena
do amor

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Camisola






ela fica entre a noite e as pernas
tem um quê de rotina
e fantasia
é seda
macia
e
me lembra um dia
de joelhos.....




sábado, 26 de janeiro de 2013

Viagem





Bota calcinha,sutian
Um relógio para amanhã
Uma blusa,um jeans
A lavanda de jasmim

Estou louvando o amor prático
Menos dramático
E menos pra sempre:
Ah,pega a escova de dente

E vem.


Neusa Doretto 


quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Livre



Pronto, passou.
A dor passou. 
A ansiedade passou. O medo passou.
O amor passou.
Abra os olhos, agora.
Sorria, aliviada.

Você não tem  esperança de mais nada.
Que coisa boa .




Neusa Doretto



domingo, 20 de janeiro de 2013

Check-In




Veio embalar
Depois
Raspar a  poesia  do meu coração

Queimou a lágrima
da solidão larga dos meus passos

Veio ver
o que eu era
O que ainda havia
Pra quem eu dera 
todos os meus dias

Neusa Doretto

sábado, 12 de janeiro de 2013

Janeiros


Há em mim uma pressa, em dizer o instante da vida, o segundo que me traduz. Então, alvoraçada, crio palavras pequenas como pedras onde embrulho a  poesia e jogo  longe. Assim ,  quem pegar, desembrulha e me conhece .Ou me toca.Tira do caminho e  leva consigo.

Há em mim a pressa  de ser intensamente a vida, por onde venho à tona, mar de espontaneidade e repetição. Porque repito os sentimentos mesmo que sejam diferentes ( e o são) 

Repito a vida todos os dias nas batidas do  coração e no andar para frente. Não há originalidade em ser gente. 

Amo e sou amada porque todos amam igualmente, mesmo quando não mais sentem. 

Amo o espaço que há para ser amado em mim e cada sonho plantado alí; flor que nasce para ser apanhada pelas mãos desconhecidas. Porque as mãos do amor são desconhecidas.


Há em mim  o movimento brusco, a mudança repentina de ideia e a 


alma perguntando o porquê de todas as coisas. 



Se tão iguais ,por que ainda quero mais ?






Neusa Doretto

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

poesia vã




pele com pele
na maciez dos corpos 
descansam beijos 

mãos que acolhem
um corpo sinuoso
por entre os dedos



(Neusa Doretto /Vãnessa Gomes)






quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Malandragem


Custou-me os olhos da cara
a doce tara
tirando a visão

Custou-me tanto
o golpe barato
intenso
insensato
desta ilusão

Sem sono
Sem assunto

Eu fui junto
na sua multidão