domingo, 22 de novembro de 2009

Sem palavras



















Tenho ciúmes das coisas que leio e não são para mim.
Da fantasia que bóia nos teus olhos e queima corpo adentro.
Da estrada que não conseguistes encontrar.
Tenho ciúmes de ti porque nunca estivestes em meus braços.
Porque se minha boca tivesse mordido a tua, eu não teria ciúmes. Teria loucura.


(" Há de haver um lugar
Um confuso casarão
Onde os sonhos serão reais
E a vida não" C.Buarque)



Neusa Doretto




8 comentários:

José Carlos Brandão disse...

O amor é uma loucura
que só se cura
com outra loucura.

(A ideia é velha - mas quais não são?)

uminuto disse...

e assim se confunde a loucura de amar, com a loucura de desejar ser amado
um beijo

Morgana D'Almeida disse...

Sei como são esses ciúmes. Mas se eu tivesse mordida. Não teria mais ciúmes não.

Talita Prates disse...

Loucura!

Muito bom, Neusa.

Um bjo.

Katheryne disse...

Neusa, querida: eu gosto da sua impetuosidade certeira. Gosto da ausência de filtros para refletir o que sente. Gosto da (sua) verdade. Beijo com carinho, Kathy

Nydia Bonetti disse...

Sei como é isto, Neusa... A tua poesia além de rápida, é certeira. Beijo!

Kenia Cris disse...

Ah eu sei bem o q é isso. É tanto que leio e gostaria que fosse inspirado pelo anseio de da minha presença. Alguém escreve poesia pra vc Neusa? Pra mim ninguém escreve. Eu sou a musa de alguém, mas ainda não sei quem.

=*

Flá Perez (BláBlá) disse...

pegou em cheio em mim.