domingo, 9 de janeiro de 2011

Perdas


























A dor é massa
imensa
grossa
lenta
nó e soco
A dor tem que doer
dilacerar
fazer o caminho
de passar



(+sentimentos pela partida da Pretinha)

5 comentários:

Í.ta** disse...

mulher, fico um puta poema este, sabias? maravilhoso! de intensidade gritante.

parabéns!

beijos.

Mirze Souza disse...

Poetisa!

O Máximo! Mas a dor tem que ser gasta até a gente não suportar mais. Melhor dizendo, viver a dor, é uma forma de livrar-se dela.

Belíssimo!

Beijos

Mirze

Kiro Menezes disse...

E ainda que se afaste, em tons dourados de perda inteira, ainda doerá pra sempre... fazendo do nosso corpo sua sorte hospitaleira, a saudade!!!

Cristiano Melo disse...

Ai que saudade de ler você

a transformação tem seus "passos", não adianta pular, do contrário não se chega inteiro!
Belo

beijos

Neuzi disse...

Oi, eu te roubei um pouco pra mim... como quem rouba não pede, deixei pistas... Bjus
Amei os seus textos.